Odeio ver animais silvestres presos! Posso simplesmente soltá-los na natureza?


Quando feita sem avaliação técnica, a soltura de animais silvestres pode trazer sérios riscos ecológicos e acabar com muitas vidas. Além dos problemas relacionados a disseminação de doenças, também existem riscos de introdução de linhagens genéticas diferentes das populações locais, introdução de espécies exóticas, problemas comportamentais, limitação de território e recursos para que esse animal possa viver no local da soltura entre outros.

O animal solto precisa estar preparado para se locomover, procurar alimentos em sua forma selvagem, reconhecer e fugir de predadores (incluindo humanos) etc. Tudo isso requer preparação e não é tão simples quanto parece.

Para evitar problemas, não compre ou prenda animais da natureza. Soltar não é simplesmente abrir a gaiola! Veja aqui o contato do órgão ambiental ou Centro de Triagem de Animais Silvestres de seu estado. Deixe que profissionais avaliem a possibilidade de soltura de cada animal e realizem o trabalho de maniera que efetivamente ajudará a natureza.

 

Onde buscar informações sobre soltura responsável de animais silvestres na natureza?

 

Essa página será atualizada frequentemente com dicas e informações sobre o assunto, por isso volte sempre e nos envie sugestões.

 

A Instrução Normativa nº 23, de 31 de dezembro de 2014, define as diretrizes e os procedimentos para a destinação de animais silvestres apreendidos, resgatados por autoridade competente ou entregues voluntariamente pela população, bem como para o funcionamento dos Centros de Triagem de Animais Silvestres do Ibama (Cetas). Acesse o documento aqui

 

A International Union for Conservation of Nature também possui um documento com orientações para reintroduções e relocações de animais silvestres que pode ser acessado aqui